quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

ARTE TUMULAR III ORFEU E EURIDICE-CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO



Seria o túmulo da noiva cadáver?rsss! Não!Túmulo família Trevisioli-Orfeu e Euridice mas é chamado
de "Lenda grega".
Bem curioso, este tumulo é obra do escultor Nicola Rollo.Uma obra balíssima.As figuras simbolizam a lenda grega
 de Orfeu e Euridice, as estátuas foram feitas em tamanho natural, por isso impressionam bastante!




Vista por outro ângulo.Orfeu lamenta a morte de Euridice.Aquela pomba preta não saiu dalí enquanto
 eu fotografava.Credo, pareceu sinistro.O tumulo é bem grande, ocupando 2 terrenos do cemitério.
Feito em granito  e estátuas em bronze.Está muito bem cuidado. Data de 1920.
 


Por outro ângulo.A lira aparece em diversas esculturas de tumulos deste cemitério.Não sei bem o que simboliza.
Esta tem um rosto de mulher de um lado e uma caveira do outro lado.
Não consegui localizar a história deste tumulo, o porque do tema grego, mas achei legal não ser de tema religioso
 como 90% dos outros.

A face das medusas nas laterais do túmulo.
Este é um dos mais interessantes que fotografei.
FOTOS BY LESLIE ®



domingo, 8 de janeiro de 2012

ARTE TUMULAR PARTE II-CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO, SP

    Um museu a céu aberto.Com estátuas perfeitas, em mármore carrara, de tamanho natural.
   Esta da foto, feita em homenagem a uma jovem que morreu com 16 anos.Uma das estátuas
   mais bonitas  do cemitério.
   Mausoléus impressionates, das antigas famílias quatrocentonas de São Paulo    e muitos personagens históricos .Tumulo da foto pertence a família Maluf
 Não economizavam no luxo, as esculturas, quase todas em tamanho natural feitas por artistas famosos.
Este da foto  pertence a um politico que governou diversos estados (São Paulo, Goiás, mato Grosso e Pará).A falta de respeito por estes mausoléus também fica evidente, na pichação que aparece na foto.
    Todas  obras em mármore, pedra sabão,bronze ou granito, e em poses bem originais.
    Algumas tão perfeitas que   pareciam ter vida.
   Outros, bem assustadores, esta por exemplo, enorme! Parecem mortos tentando sair do limbo,
   um lamento, um pedido de ajuda,sei lá, mas achei bela e assustadora.Transmite uma certa agonia ,    desespero.
   A enrome escultura circunda todo mausoléu.Só vendo de perto para ter idéia das dimensões dela.
   Clique nas fotos para ampliar

   FOTOS BY LESLIE SZABO

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

ARTE TUMULAR- Cemitério da Consolação- São Paulo



upload via:flickr

*A Interrogação* está no túmulo de Moacyr Piza, jovem advogado e escritor
que viveu um intenso e trágico romance com Nenê Romano, uma linda cortesã
de luxo. A escultura, em granito, também é de Francisco Leopoldo e Silva.
Segundo contam, foi colocada no túmulo de Piza aproximadamente um ano após
sua morte, ocorrida em 1923. O advogado de 32 anos matou-se com um tiro,
dentro de um táxi, após matar a amante.

“Nenê Romano era o nome pelo qual se conhecia Lina Machiaverni, imigrante
italiana cuja família chegara ao Brasil quando tinha dois anos de idade.
Fora costureira no Brás. Moça lindíssima, acabou se tornando conhecida
cortesã, companhia de homens famosos e poderosos. Era odiada pelas mulheres
da elite. Num corso de carnaval, na avenida Paulista, jovem mancebo de
família rica jogou-lhe um bilhete, o que foi percebido pela namorada, de
uma das mais ricas famílias de fazendeiros de café. A moça ajustou dois
jagunços da fazenda da família, em Ribeirão Preto, para que dessem um
corretivo à cortesã. Nenê Romano levou uma navalhada no rosto num atentado
de 1918, que a desfiguraria. Apresentou queixa e iniciou processo contra a
mandante do crime. Mas o processo foi ficando pelas gavetas, pois era ação
de prostituta contra gente poderosa.
“Nenê, então, contratou Moacir Piza, advogado já famoso, para que
desemperrasse o processo. Moacir Piza se apaixonou por ela. Estiveram
juntos por dois anos na boemia, namorando em hotéis e táxis. Mas Nenê
começou a sair novamente com outros homens, desinteressou-se por ele, que
se tornara homem relapso em relação ao trabalho como jornalista e advogado.
O namoro acabou. Moacir Piza foi procurá-la na noite de 25 de outubro de
1923, na tentativa de reatar o relacionamento. Ela estava de saída. Ele
insistiu para que ela entrasse no táxi, para conversar. Na esquina da
avenida Angélica com a rua Sergipe matou-a com quatro tiros e matou-se em
seguida, caindo sobre ela. A vingança da namorada do almofadinha que
cortejara Nenê Romano já era indicação de que, entre as mulheres, culpada
era a mulher, em casos assim. A escultura de Francisco Leopoldo e Silva, em
forma de interrogação, também expressa a mentalidade da época em relação a
mulheres como Nenê Romano: por quê? Que sentido tinha o suicídio de um moço
de família antiga, parente de políticos, advogado estabelecido, boêmio
conhecido, de vida alegre e de bem com a vida, que se apaixonara por uma
pobre proletária do Brás, garota de programa de ricos e poderosos?”
fonte do texto: blog Sandro Fortunato
FOTO BY LESLIE SZABO